Polícia

Agente penitenciário é executado a tiros após guerra entre PCC e Clã Rotela que acabou em 10 mortes

Foto: Divulgação

Foi executado com pelo menos 10 tiros o agente penitenciário, Angelo Espinola Mareco de 49 anos. Ele estava a caminho da penitenciária de San Pedro, no Paraguai – a 254 quilômetros de Paranhos em Mato Grosso do Sul – quando foi atacado.

O agente foi morto a 150 metros da penitenciária. Angelo foi seguido por pistoleiros que fizeram pelo menos 10 disparos de pistola 9mm contra ele que morreu no local. No dia 16 de junho aconteceu um massacre no presídio, e 10 detentos da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) foram mortos decapitados e carbonizados.

O massacre aconteceu depois de uma guerra entre o Clã Rotela, que tem como líder, o rei do crack, Armando Rotela e o PCC. Após isso, o diretor do estabelecimento penitenciário foi demitido e uma varredura foi feita no local por cerca de 200 policiais.

Durante a varredura foram encontradas mais de 200 armas artesanais, celulares e até um pé de maconha em uma das celas. Ainda foi descoberto que muitos detentos tinham privilégios, e podiam sair do presídio para fazer caminhadas, segundo o site ABC Color.

As autoridades paraguaias prometeram expulsar do país pelo menos 400 membros do PCC, e já foram expulsos 120 detentos da facção criminosa para o Brasil.

Comentários