Saúde

Campanha de vacinação contra o sarampo será lançada em outubro

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) lança, no dia 7 de outubro, a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo em Mato Grosso do Sul. A abertura acontecerá às 9 horas no auditório da Escola de Saúde Pública Dr. Jorge David Nasser, em Campo Grande, com a presença do secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, profissionais da área e autoridades municipais e estaduais.

O objetivo do SES e do Ministério da Saúde é, na primeira etapa, vacinar seletivamente as crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade. Na segunda fase serão imunizados adultos na faixa de 20 a 29 anos de idade. A meta é atingir pelo menos 95% de cobertura vacinal de rotina, de forma homogênea, do público-alvo a ser vacinado.

“Junto com o Ministério da Saúde e outras organizações engajadas, queremos interromper a circulação viral e controlar o sarampo no país, que registrou 4.507 casos confirmados em 19 estados nos últimos 90 dias, de acordo com balanço divulgado ontem (25)”, afirma o secretário Geraldo Resende.

Etapas

A campanha de vacinação contra o sarampo acontecerá em duas etapas: de 7 a 25 de outubro será aplicada a dose a todas as crianças não vacinadas, de seis meses a menores de cinco anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias). Nesta fase, o “Dia D” (de mobilização nacional) será 19/10. De 18/11 a 30/11 será disponibilizada a vacina para adultos jovens não vacinados, na faixa etária de 20 a 29 anos de idade. Para eles, o “Dia D” está marcado para 30/11.

Segundo Larissa Castilho, Diretora Geral de Vigilância em Saúde, da Secretaria de Estado de Saúde, nesta campanha será utilizada a vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) de diferentes laboratórios produtores para a vacinação das crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade. Para os adultos jovens de 20 a 29 anos de idade serão utilizadas as vacinas tríplice viral e dupla viral (sarampo e caxumba), sendo a última do laboratório produtor Serum Institute of India Ltd.

Recomendações

Para esta campanha, a Secretaria de Estado de Saúde faz diversas recomendações, entre elas a de que devido à situação emergencial do sarampo, as crianças na faixa etária de seis meses até 11 meses e 29 dias devem receber uma dose da vacina tríplice viral (dose zero) e essa dose não será validada para a rotina. Nesta situação, deve-se agendar a dose “um” a partir de 12 meses de idade, considerando o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses. As crianças na faixa etária de 12 meses a menores de cinco anos de idade, devem ter duas doses da vacina para serem consideradas com esquema vacinal completo.

Outro alerta é que as vacinas tríplice viral e dupla viral deverão ser administradas de forma seletiva, conforme o Calendário Nacional de Vacinação, sendo duas doses de 12 meses a 29 anos de idade, respeitando-se o intervalo de 30 dias entre as doses. “No momento da avaliação da caderneta de vacinação do público alvo na primeira e segunda etapa, destaca-se a importância da atualização do documento para as vacinas definidas no calendário nacional de vacinação, conforme disponibilidade da vacina”, explica Larissa Castilho.

Segundo ela, a administração da vacina deve ser adiada nas seguintes situações: em doenças agudas febris moderadas ou graves recomenda-se adiar a vacinação até a resolução do quadro, com o intuito de não se atribuir à vacina as manifestações da doença.

A SES está orientando aos profissionais envolvidos na aplicação da vacina tríplice viral do Laboratório Serum Institute of India Ltda. que a mesma não deve ser administrada em crianças portadoras de alergia à proteína do leite de vaca. Nestas situações deve ser disponibilizada a vacina de outros laboratórios.

“Para as crianças de nove meses de idade que necessitam ser vacinadas para a febre amarela, orientamos que os Municípios priorizem a vacinação com tríplice viral, dada a situação epidemiológica do país e, após 30 dias impreterivelmente, administrem a vacina contra febre amarela, pois esta população terá apenas dois meses para ser vacinada dentro do calendário”, conclui Castilho.

Parcerias

Esse ano, segundo a diretora da SES, a estratégia de mobilização conta com o apoio do Rotary Club, por meio da ação “Mato Grosso do Sul e Rotary Club de Campo Grande, conectados pela Saúde Infantil”, visando à mobilização e engajamento da sociedade civil e instituições na divulgação da campanha.

Entre as instituições que já firmaram parceria, destacam-se a Famasul, Energisa, Tribunal de Justiça de MS, Defensoria Pública, Secretaria de Estado de Educação, Secretaria Municipal de Educação, Conselho de Reitores das Instituições de Ensino Superior do MS, Assomasul, SENAC, SESC-Fecomércio, Sanesul, Distrito Sanitário Especial de Saúde Indígena, Câmara dos Vereadores de Campo Grande, Cassems, Faems e Sindicato das Escolas Particulares de MS.

Comentários