Polícia

Coronel é demitido da PM de MS por estupro, após 16 anos de serviço

Foto: PC de Souza/Edição MS

Condenado por estupro, o tenente-coronel Márcio Villasanti Romero foi demitido da PM (Polícia Militar). A demissão é assinada pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e foi divulgada na edição de hoje do Diário Oficial do Estado.

De acordo com o documento, a medida cumpre ordem da Justiça, relativa a processo aberto em 2003. A ação, que tramita em sigilo, é sobre estupro. Atualmente, Márcio Villasanti Romero está no quadro de inativos e sua última função havia sido a direção da DEOSP (Diretoria de Operações de Segurança Pública), ligada ao comando da PM, em Campo Grande.

Em 2009, ele foi condenado a 14 anos de prisão por crimes de estupro e atentado violento ao pudor. Os crimes aconteceram em Jardim, a 233 km de Campo Grande, dia 9 de fevereiro de 2003, quando era major da Polícia Militar.

Conforme a denúncia, o oficial é acusado de abordar uma jovem, que estava de bicicleta, e , armado, obrigá-la a entrar em seu veículo.

Depois, seguiu para local afastado, em uma das saídas da cidade, e a estuprou. A vítima procurou a polícia, informou a placa do veículo e detalhou um adesivo que havia no carro no dia do crime.

Os policiais verificaram que o automóvel estava em nome da mãe do então major. O oficial da PM também foi reconhecido pela vítima. Em 2011, a pena foi reduzida para 8 anos e dois meses.

Nesta quinta-feira (dia 2), a defesa de Villasanti informou que vai buscar reverter a decisão do governo. A defesa discute essa questão e existe uma ilegalidade”, afirma o advogado Fabrício Grubert.

Conforme consulta ao Portal da Transparência, Márcio Villasanti Romero recebe pela Ageprev (Agência de Previdência do Mato Grosso do Sul), com remuneração fixa de R$ 24.628,83 no mês de março de 2019.

Comentários