Apreensões de drogas de janeiro a julho superam 600 toneladas em MS

Média diária de apreensões registrada pela Secretaria de Segurança Pública é quase o dobro de anos anteriores

| HELIO DE FREITAS, DE DOURADOS / CAMPO GRANDE NEWS


Policiais rodoviários federais sobre carreta com maconha escondida em carga de milho (Foto: Ademir Almeida)

O número exato é difícil saber, mas balanços feitos pelas principais forças policiais mostram que já passa de meio milhão de quilos a quantidade de drogas apreendidas de janeiro a julho de 2020 em Mato Grosso do Sul.

Além de quebrar todos os recordes, o volume histórico escancara a realidade que todo mundo já sabe: a Linha Internacional que divide MS do Paraguai é terra de ninguém.

O fechamento oficial da fronteira por causa da pandemia do novo coronavírus, com a presença de militares dos dois da Linha Internacional, não implicou em redução dos carregamentos de drogas. Muito pelo contrário! Foi exatamente após o início da pandemia que as apreensões aumentaram.

Números levantados pelo Campo Grande News mostram que foram pelo menos 600 toneladas de drogas retidas de 1º de janeiro até esta sexta-feira (31).

A Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública informou que as polícias estaduais – incluindo DOF e Militar Rodoviária – já apreenderam 316,81 toneladas de drogas neste ano.

A PRF (Polícia Rodoviária Federal) informou ter apreendido 220,9 toneladas, entre maconha (grande maioria), cocaína e skunk, a chamada “supermaconha'. Já a Superintendência da Polícia Federal em Mato Grosso do Sul informa balanço de 206 toneladas, entre maconha, cocaína e haxixe.

Somando a quantidade de cada um, o total seriam 737,7 toneladas. Entretanto, a Polícia Federal inclui em seus números as cargas apreendidas pela PRF e entregues nas delegacias da PF para instauração dos inquéritos policiais.

Levando em conta que a maior parte das apreensões da PRF está incluída no balanço da PF, é possível “arredondar' em no mínimo 600 toneladas o montante apreendido no Estado em sete meses.

Apreensões diárias – Até mesmo quem está acostumado com a realidade da fronteira se surpreendeu com tanta droga nesse “semestre da pandemia'. Todos os dias, DOF (Departamento de Operações de Fronteira), PMR (Polícia Militar Rodoviária) e PRF relatam apreensões de drogas, principalmente na região entre Dourados e Ponta Porã.

Com sede em Dourados, efetivo de pelo menos 100 policiais e atuação em 730 quilômetros de fronteira seca com o Paraguai e a Bolívia, o DOF apreendeu de janeiro até hoje pelo menos 123,6 toneladas de drogas – 122 toneladas de maconha, 231 quilos de cocaína, 43 quilos de haxixe e 1.270 quilos de skunk.

Outra força policial que registrou aumento considerável nas apreensões foi a Militar Rodoviária. Com efetivo de pelo menos 125 policiais, o batalhão presente nas estradas estaduais apreendeu de janeiro até esta semana quase 100 toneladas, volume superior às 89,5 toneladas apreendidas nos 12 meses de 2019.

Já a PRF, que tem efetivo de 380 policiais em todo o Mato Grosso do Sul, apreendeu de janeiro até hoje 216,8 toneladas de maconha, aumento de 227% em relação ao mesmo período de 2019.

As apreensões de skunk feitas nas rodovias federais aumentaram 896,4%, saltando de 169 quilos no ano passado para 1.684 quilos em 2020. Por outro lado, a PRF registrou queda de 44% nas apreensões de cocaína – foram 4,3 toneladas em 2019 e 2,4 toneladas nos sete primeiros meses deste ano.

Campeã – A Delegacia da PRF em Dourados, responsável pela fiscalização de trechos das BRs 163 e 463 que somam 220 quilômetros, foi de longe a campeã individual nas apreensões de drogas no “semestre da pandemia'.

Com efetivo de 35 policiais, a equipe chefiada pelo inspetor Waldir Brasil Junior quadriplicou as apreensões de maconha neste ano em relação mesmo período de 2019 e responde por 60% de toda a droga interceptada pela PRF de janeiro até hoje no Estado.

Foram 128,5 toneladas de maconha em 2020 contra 32,6 toneladas no mesmo período do ano passado. Assim como ocorreu em outras áreas de atuação da PRF em MS, a delegacia de Dourados também apreendeu menos cocaína neste ano.

Foram 755 quilos nos últimos sete meses contra 2,5 toneladas no período de janeiro a julho de 2019. Mesmo com a queda, a delegacia de Dourados responde por um terço da cocaína apreendida pela PRF em MS neste ano.

“É importante ressaltar o trabalho integrado com a Polícia Federal na região de fronteira. Em duas operações foram retiradas de circulação 50 toneladas de maconha, sendo a maior de 28 toneladas em Iguatemi, e a outra, de 22 toneladas, em Amambai', afirmou o inspetor Waldir Brasil Junior.

Média – Conforme a Secretaria de Justiça e Segurança Pública de MS, neste ano a média de apreensões feitas pelas forças estaduais tem sido de 52,80 toneladas mensais, o melhor resultado em cinco anos.

Em 2015, a média mensal foi de 23,25 toneladas. No ano seguinte chegou a 24,64 toneladas. Em 2017, a média subiu para 31,74 toneladas, caiu para 28,25 em 2018 e no ano passado foi de 30,79 toneladas/mês.

“Com efetivo maior em razão da pandemia, realizamos maior fiscalização, principalmente, no transporte de cargas. Com mais policiamento nas barreiras e nas rodovias percebemos que houve aumento nas apreensões', afirmou o comandante da PMR, tenente-coronel Wilmar Fernandes.

Para o diretor do DOF, coronel Wagner Ferreira da Silva, a pandemia trouxe novo fenômeno – o transporte de grandes quantidades de drogas.

“Nós sabemos que há algo diferente, mas ainda não conseguimos detectar. Temos procurado entender esse fenômeno. Uma das hipóteses é que pode ter ocorrido colheita maior nos países produtores, aliado ao maior consumo da droga no período de pandemia. Devido ao rigor nas fiscalizações, estão tendo dificuldades em fazer esse transporte. Por isso arriscam na passagem com grandes quantidades de drogas', avalia.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE